Workshop sobre desenho urbano para Olinda

Imprimir

O Centro de Estudos Avançados da Conservação Integrada (CECI), a Technical University of Delft (Holanda) e o Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Pernambuco promoveram um workshop de desenho urbano em Olinda entre 29 de março e 08 de abril de 2005.

O encontro foi organizado pelos professores Fernando Diniz Moreira (CECI e UFPE) e Paul Meurs (TU Delft). Professores destas instituições, 14 alunos do mestrado em arquitetura da T U Delft e 14 alunos do ultimo ano da graduação de arquitetura da UFPE  dedicaram-se por duas semanas a pensar estratégias para o sítio histórico de Olinda.

 

Na primeira semana foi realizado um ciclo de palestras aberto ao público pela manhã e feitas visitas a diferentes áreas de Olinda pela tarde. Entre os palestrantes, os brasileiros Silvio Zancheti (CECI), Zeca Brandão (UFPE ) e André Pina (Sepactur, Olinda), falaram sobre a evolução, planos e políticas atuais para a cidade, enquanto que os holandeses Paul Meurs, Job Roos (TU Delft, Bracksmaa & Roos) e Ferrucio Colauti (TU Delft/Domino Architetuur) palestraram sobre a realidade holandesa em revitalização e restauro.

Após as discussões e visitas da primeira semana, alunos e professores dividiram-se em quatro equipes que desenvolveram propostas específicas para quatro áreas de Olinda: A área englobando o Convento do Carmo e a faixa costeira; a área compreendendo a colina de São Francisco, e a faixa costeria junto ao forte; a área dos Milagres e Varadouro; e por fim, a área entre o Alto da Sé o largo do Amparo e o Horto.

A grande preocupação da workshop girou em torno de dois eixos. O primeiro eixo foi a recuperação da estreita faixa costeira comprimida entre o corredor de tráfego representado pela Sigismundo Gonçalves e a praia em processo de acelerada erosão. Esta zona mostra sinais de decadência, mas apresenta um enorme potencial para recosturar a cidade alta com o mar. O segundo eixo refere-se aos grandes equipamentos religiosos imersos em grandes áreas verdes (São Francisco, Carmo, São Bento e Seminário). A grande preocupação foi como conservar estes monumentos, mantendo a significação religiosa e a riqueza dos espaços verdes, mas ao mesmo tempo melhorando a relação deles com a cidade, introduzindo novos usos e atraindo mais pessoas.

Como resultado o grupo chegou a um grande plano para todo o sítio histórico e de Olinda, incluindo a faixa costeira entre o Varadouro e o Forte. Uma proposta que procura reverter o estado de degradação da área, melhorar as conexões entre a cidade alta e a costa, abrindo a cidade ao mar sem que ela perca suas características. A partir deste plano geral, os alunos da Delft e da UFPE escolherão projetos -- sejam novos projetos arquitetônicos, reutilização de edifícios antigos, desenho urbano, restauro ou paisagismo-- que serão desenvolvidos por cerca de um ano nos dois lados do Atlântico. Estes trabalhos serão apresentados como trabalhos de graduação (no caso de UFPE) e como teses de mestrado (no caso da Delft). Estes projetos interligados virão a formar um rico mosaico com possíveis estratégias para o futuro de Olinda.

A workshop está se convertendo em uma rica oportunidade de troca de experiências entre alunos de diferentes países com formas distintas de pensar a cidade. Estão sendo previstas uma exposição e uma publicação em março do próximo ano, no qual todos estes projetos serão apresentados e confrontados.